O link building está morto, viva o link building!

O link building está morto, viva o link building!
14 . Junho . 2014
  • marketing
  • seo

O que define a posição em que uma determinada página surge numa pesquisa no Google é o seu algoritmo complexo e “ultrassecreto”. Sabendo que o algoritmo que define o ranking é composto por uma infinidade de fatores, isso significa que cada respetivo fator pode ser trabalhado. Para o Google, “trabalhado” significa “manipulado”.

A maioria das técnicas de link building têm vindo a ser desautorizadas e classificadas pelo Google como SPAM. Técnicas que não só foram prática comum, como eram até consideradas como o procedimento recomendado, passaram a ser uma “má prática”, e quem as utilizava deverá não só deixar de o fazer, como também desfazer o trabalho já feito – estas decisões unilaterais têm, claro, efeitos retroativos.

O objetivo parece agora claro: todo e qualquer link que seja trabalhado – que surja por iniciativa do webmaster (ou de alguém que trabalhe para ele) – é SPAM e deverá ser removido. Apenas serão aceites links naturais – sendo que a noção de “link natural” é também ela incerta, subjetiva e poderá ser alterada unilateralmente.

Perante este cenário negro e apocalíptico, pode-se dizer que o link building está morto e enterrado, certo?

Errado. E muito pelo contrário.

O link building não está morto: exige, isso sim, um trabalho adicional a nível de marketing digital, uma criatividade e originalidade extra para fazer com que os links sejam fomentados e surjam de forma natural e orgânica – como o Google “gosta”.

O que está ferido (de morte?) é o link building tradicional, as técnicas habituais – e fáceis – que foram utilizadas ao longo dos anos.

O que se pode fazer então a nível de link building e SEO?

O link building continua e continuará a ser uma das mais importantes ferramentas do SEO, mas deverá ser encarado sob uma outra perspetiva. Ao invés de se basear na construção de links, deverá ser encarado sobretudo na criação de conteúdo “linkável”.

Onsite SEO

Não obstante todas as técnicas offsite, o trabalho deve sempre começar “dentro de portas”. O seu website está devidamente preparado e otimizado em termos de SEO? Há muito que pode fazer a este respeito, mas existem alguns elementos mínimos que são obrigatórios:

    • Título da página
    • Utilização de tags H1, H2, etc.
    • URL “amigável”
    • Atributo “Alt” nas imagens
    • Densidade de keywords trabalhada
    • Links internos com texto âncora apropriado
    • Páginas com conteúdo único
    • Landing pages – criadas e otimizadas especificamente para cada campanha e objetivo

Redes sociais

Mais do que apenas ter uma página no Facebook, a presença nas redes sociais permite um novo mundo de proximidade e contacto com o seu público. Além do básico – comunicar a sua marca, a sua atividade, as suas novidades – pode ir mais longe, e ficar mais próximo da sua audiência interagindo com ela.

Guest posting

Não como ferramenta exclusiva de link building (isso foi também “abatido” pelo Google), mas como ferramenta de marketing, colaborando construtivamente com outros sites estratégicos, e não apenas com o objetivo de colocar um link num artigo.

Relações públicas

Esteja atento aos sítios onde falam de si – pode configurar um alerta no Google para ser avisado sempre que tal acontecer. E, se necessário, responda, participe, interaja: esclareça dúvidas, responda a reclamações, agradeça elogios. Fazendo-o com bom senso, conseguirá o link, e deixará bem vista a sua empresa ou o seu negócio.

Originalidade e criatividade

Não se limite a reagir quando falam de si. A proatividade é tão importante como uma boa capacidade de reação, e para isso são cruciais os conteúdos originais – não apenas novos, mas sobretudo criativos.

Faça com que falem de si através de conteúdos como por exemplo:

    • Tutoriais, FAQs ou consultórios
    • Recursos e ferramentas gratuitas
    • Comparações e reviews de produtos e preços
    • Passatempos
    • Anúncios de emprego
    • Vídeos e conteúdos multimédia

O estado e o futuro do link building é, no fundo, um espelho do futuro do SEO e, num sentido mais geral, da comunicação digital. As ferramentas que estão ao nosso dispor não são estáticas, nem ficam paradas no tempo. Como tudo o resto, sofrem alterações e evoluem, e por isso mesmo exigem uma constante luta, assente na originalidade e criatividade, para que continuem a ser eficazes.

O link building tem sido uma ferramenta essencial do SEO e do marketing digital. E, apesar de todas as alterações que tem sofrido no passado recente, continuará a sê-lo. Provavelmente, e apesar de tudo, sê-lo-á cada vez mais, pois para cada porta que se fecha, uma nova é aberta, e com um novo potencial!

Por Rui Araújo

Twitter

Facebook